ENTENDA QUAIS OS TIPOS DE COBRANÇA E EM QUAL MOMENTO USÁ-LAS.

Possuímos 3 (três) tipos mais comuns de cobrança: 1) Cobrança Preventiva; 2) Cobrança Extrajudicial; 3) Cobrança Judicial.  

Nas duas últimas é possível encontrar empresas que efetuam essa cobrança SEM CUSTO para o credor (CONDOMÍNIO OU EMPRESA), no entanto, deve haver previsão na Convenção Condominial e/ou Regimento interno no caso de condomínio e, em Contrato no caso de Empresas.  

A COBRANÇA PREVENTIVA.

A cobrança preventiva ou consultiva, é feita antes do vencimento do débito ou logo após. Consiste em ligações e/ou outros meios de contatos para confirmar a data de pagamento, perguntar se o boleto foi recebido e se aconteceu alguma coisa que prejudique o pagamento e em caso de atraso saber os motivos do não pagamento na data aprazada.

A cobrança preventiva permite que até o segundo mês de atraso o devedor seja cobrado de forma célere e eficaz, tentando evitar que a dívida se estenda ao terceiro mês e seja proposta ação judicial.

A prevenção evita a inadimplência contumaz de alguns devedores pois, nesse tipo de cobrança a insistência com devedor é diária, orientando-o dos benefícios do pagamento e dos riscos caso o atraso se prolongue.

A COBRANÇA EXTRAJUDICIAL

A cobrança extrajudicial é uma continuidade da cobrança preventiva, nesta, superada a etapa de envios de SMS, Ligações, Email e  Whats app alertando sobre a importância do pagamento do débito, inicia-se o envio de notificações extrajudiciais, informando ao devedor os riscos que são impostos pela legislação quando do ingresso com ação judicial.

Procura-se esclarecer ao devedor que o pagamento do débito evita uma possível penhora nas contas bancárias, penhora do imóvel, bem como a inscrição do nome do devedor no SPC e SERASA, bem como outras modalidades de constrição que o art. 835 do Novo CPC autoriza.

A COBRANÇA JUDICIAL.

A cobrança judicial é proposta após o terceiro mês de atraso, apesar da legislação não determinar prazo mínimo para o ajuizamento de ação de cobrança ou de execução de título extrajudicial, é razoável que a ação seja protocolada somente após 90 (noventa) dias de atraso.

Vale ressaltar que a propositura de ação judicial deve ser a última instância da régua de cobrança, pois, além da morosidade da justiça, há custas judiciais para cada demanda, portanto, o condomínio ou empresa terá que arcar com as custas para que a ação seja analisada e siga seu trâmite regular e havendo previsão legal existe a possibilidade de o devedor pagar as custas judiciais dispendidas pela empresa ou condomínio.

A SM – ASSESSORIA E COBRANÇA ESPECIALIZADA trabalha com as três formas de cobrança expostas acima, possuindo uma excelente equipe de negociadores, bem como um corpo jurídico especializado na área.

Conheça nosso PLANO DE AÇÃO e veja qual modalidade se enquadra melhor em seu condomínio ou empresa.

Entre em contato conosco!

direcao@smcobranca.com / (85) 9.9839-2959 (whats app)